segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Mineiro

Em Minas é
assim...vale a pena
ler!

NUDEZ
MINEIRA:

Dois cumpadres de Varginha tavam bem sossegadim fumando
seus respectivos
cigarrim de paia e proseano.......
Conversa vai, conversa vem, eis que a certa altura um deles
pergunta pro
outro:
- Cumpadre, u quê quiocê acha desse negoço de nudez?
- No que o outro respondeu:
- Acho bão, sô!
O outro ficou assim, pensativo, meditativo...e perguntou de
novo:
- Ocê acha bão purcaus diquê, cumpadre?
E o outro:
- Uai! É mió nudês do que nunosso, né mesmo?
____________________________________________________________





SUTILEZA
MINEIRA:




O cumpadi, há muito tempo de olho na cumadi, aproveitô a
ausência do cumpadi e resolveu fazer uma visitinha para ver
se ela não carecia de arguma coisa...
Chegando lá, os dois meio sem jeito, não estavam
acostumados a ficar a
sós....falaram sobre o tempo....
- Será qui chove?
- Pois é.....
Ficô um grande silêncio.....
Aí, o cumpadi se enche de corage e resorve quebrá o
gelo:
- Cumadi....qui qui ocê acha: trepemo ou tomemo um
café?
- Ah, cumpadi...cê mi pegô sem pó.....
________________________________________________________________

CUNVERSA DE
MINEIRIM:

- Cumpadi, muié é bicho estranho, num é mêsss???
- Num gosta di pescá....
- Num gosta
di futebor...
- Num sabi contá piada...
- Num toma umas pinguinha.....
- Óia, cumpadi....si num tivesse xoxota, eu nem
cumprimentava!
______________________________________________________________




___
DIPROMA:

O velho fazendeiro lá de Varginha, no sur de Minas, está
na sala, proseando com um amigo, quando um menino passa
correndo por ali.
Ele chama:
- Diproma, vai falar para sua avó trazer um cafèzinho
aqui pra visita!
E o amigo estranha:
- Mas que nome engraçado tem esse menino!! É seu
parente?
- É meu neto! Eu chamo ele assim porque mandei a minha
filha estudar
em Belzonte e ela voltou com ele!
____________________________________________________________



MINEIRIM NO
RIDIJANEIRO:

Um mineirim tava no Ridijaneiro, bismado cas praia, pé
discarço, sem camisa,
caquele carção samba canção, sem cueca pur dibacho.
Os cariocas zombano, contano piada de mineiro. Alheio a
tudo, o mineirim
olhou pro marzão e num se güentô: correu a toda
velocidade e deu um
mergúio,deu cambaióta, pegô jacaré e tudo mais.....
Quando saiu, o carção de ticido finim tava transparente e
grudadim na pele.
Tudu mundo na praia tava oiano pro tamanho do
'amigão'
que o mineirim tinha.
O bicho ia até
pertim do juêio...A turma nunca tinha visto coisa igual.
As
muié cum sorrisão, os homi roxo dinveja, só tinham olhos
pro bicho.
O mineirim intão percebeu a situação, ficou todo
envergonhado e gritou:
-Qui qui foi, uai? Seus bobãum... vão dizê qui quando
oceis pula na agua
fria, o pintim doceis num incói tamém...?
____________________________________________________________

TRAIÇÃO À
MINEIRA:

O amigo chega pro Carzeduardo e fala:
- Carzeduardo, sua muié tá te traino co Arcide.
- Magina!! Ela num trai eu não.. Cê tá inganado, sô.
- Carzeduardo! Toda veiz qui ocê sai pra trabaiá, o
Arcide vai pra sua
casa e prega ferro nela.
- Duvido! Ele não teria corage....
- Mais teve! Pode confiri.
Indignado com o que o amigo diz, o Carzeduardo finge que
sai de casa,
sesconde dentro do guarda-roupa e fica
olhando pela fresta da porta.
Logo vê sua mulher levando o Arcide para dentro do quarto
pra começar a
sacanage.
Mais tarde, ele encontra com o amigo, que lhe pergunta o
que houve.
E então, o Carzeduardo relata cabisbaixo:
- Foi terrive di vê!!!... ele jogou ela na cama, tirou a
brusa.... e os
peito caiu....tirou a carcinha...e a barriga e a bunda
dispencô......
tirou as meia...e apariceu aquelas varizaiada toda, as
perna tudo cabiluda.
E eu dentro do guarda roupa, cas mãos no rosto, pensava:
'Ai...qui vergonha
que tô do compadi Arcide!!!'
__________________________________________________________

UAI
SÔ:

Um mineirinho bom de cama, passando por Nova York, pega
uma
americana e parte para os finalmentes.
Durante a transa, a americana fica louca e começa a
gritar:
- Once more, once more, once more.....( tradução:
'mais uma

vez, mais uma
vez......')
E o mineirinho responde desesperado:
- Belzonte, Belzonte, Belzonte.....
______________________________________________________________

O EMPRESÁRIO E O
MINEIRIM:

Num certo dia, um empresário viajava pelo interior de
Minas.
Ao ver um peão tocando umas vacas, parou para lhe fazer
algumas perguntas:
- Voce poderia me dar umas informações?
- Claro, sô!
- Essas vacas dão muito leite?
- Qual que o senhor quer saber: as maiáda ou as marrom?
- Pode ser as malhadas.
- Dá uns 12 litro por dia!
- E
as marrons?
- Tamém uns 12 litro por dia!
O empresário pensou um pouco e logo tornou a perguntar:
- Elas comem o quê?
- Qual? As maiáda ou as marrom?
- Sei lá, pode ser as marrons!
- As marrom come pasto e sal.
- Hum! E as malhadas?
- Tamém come pasto e sal!
O empresário, sem conseguir esconder a irritação:
- Escuta aqui, meu amigo! Por quê toda vez que eu te
pergunto alguma coisa
sobre as vacas você me diz se quero saber das malhadas ou
das marrons,
sendo que é tudo a mesma resposta?
E o matuto responde:
- É que as maiáda são minha!
- E as marrons?
- Tamém!
__________________________________________________________



INDO PARA A
PESCARIA...


Os dois mineiros se encontram no ponto de ônibus em
Varginha para uma
pescaria.
- Então cumpadi, tá animado? pergunta o primeiro.
- Eu tô, home!
- Ô cumpadi, pro mode quê tá levano esses dois
embornal?
- É que tô levano uma pingazinha, cumpadi.
- Pinga, cumpadi? Nóis num tinha acertado que num ia bebê
mais?!
- Cumpadi, é que pode aparece uma cobra e pica a gente.
Aí nóis desinfeta
com a pinga e toma uns gole que é pra mode num sinti a
dô.
- É... e na outra sacola, o que qui tá levano?
- É a cobra, cumpadi. Pode num tê lá...
_________________________________________________________

MINEIRIM COMPRANDO
PASSAGEM:

O mineirin vai a uma estação ferroviária para comprar um
bilhete.
- Quero uma
passage para o Esbui - solicita ao atendente.
- Não entendi; o senhor pode repetir?
- Quero uma passage para o Esbui!
- Sinto muito, senhor, não temos passagem para o Esbui.
Aborrecido, o caipira se afasta do guichê, se aproxima do
amigo que o
estava aguardando e lamenta:
- Olha, Esbui, o home falou que prá ocê não tem passagem
não!

____________________________________________________________

A
PESQUISADORA E O
MINEIRIM:

Uma pesquisadora do IBGE bate à porta de um sitiozinho
escondido no sul
de Minas (perto de Varginha).
- Essa terra dá mandioca?
- Não, senhora. - responde o roceiro.
- Dá batata?
- Também não, senhora!
- Dá feijão?
- Nunca deu!
- Arroz?
-
De jeito nenhum!
- Milho?
- Nem brincando!
- Quer dizer que por aqui não adianta plantar nada?
- Ah! ... Se prantá é diferente..

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você Gostou? Então deixe o seu comentário!

Postagens populares

Mande sua matéria ou humor para o Febre da Net


Seu nome:

e-mail

Sua cidade / estado

Sua matéria para aparecer no Febre da Net

 
©2009 João Maria Alcantara de Oliveira Por JM Produções